7 de jun de 2014

O presidente estadual do PSDB, deputado Carlos Brandão, convocou reunião da executiva regional para a próxima terça-feira para deliberar sobre a iniciativa do ex-prefeito João Castelo em apresentar seu nome para concorrer ao Senado da República pela legenda tucana.

“Nós vamos sentar para discutir esse desejo dele ser candidato a senador. Trata-se de um fato novo, pois já haviam outras conversações em andamento e é natural que a gente ouça o desejo dele. Vamos discutir e tomar uma decisão na próxima terça-feira”.

Pelo acordo firmado com o aval do presidente nacional do partido, senador Aécio Neves, o PSDB garantiu a participação na chapa majoritária da aliança das oposições, liderada por Flávio Dino, como candidato a vice.  

A filha do ex-prefeito, deputada Gardênia Gonçalves, embora não tenha autorização para falar em nome do partido, tem insistido em usar os meios de comunicação da oligarquia Sarney defender a suposta pré-candidatura a anunciar que o PSDB garantirá legenda, mas esta decisão quem vai tomar a executiva.

E tudo indica que a direção tucana no Maranhão vai decidir pela manutenção do acordo que garante ao PSDB apresentar o vice e ao PSB o candidato ao Senado na coligação oposicionista, que decidiu pelo nome do vice-prefeito Roberto Rocha.   
O prefeito Edivaldo definiu a modernização do serviço de recuperação asfáltica na cidade, com caminhões especiais que utilizam sistema de injeção por spray para aplicação mecanizada do composto asfáltico. Os veículos funcionam como usinas móveis e são cinco vezes mais rápido do que o serviço tradicional para recuperação do pavimento. O sistema permite ainda a execução dos serviços em dias de chuva e aplica materiais sustentáveis no composto asfáltico, como pneus usados.

“Aprimoramos a técnica da recuperação asfáltica e trouxemos inovação tecnológica na área de infraestrutura de vias para São Luís. Com isso, reforçamos o plano de mobilidade urbana pensado para nossa cidade e melhoramos a trafegabilidade das vias”, aponta o prefeito Edivaldo.

Com a técnica de requalificação de pavimento por injeção por spray, a meta é corrigir os problemas de pavimentação nas principais avenidas em até dez dias. “Essa é uma determinação do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, que todas as grandes avenidas da cidade sejam contempladas pelo plano [de recuperação asfáltica]”, destacou o secretário de Obras e Serviços Públicos, Antônio Araújo.

Os primeiros locais a receberem o serviço diferenciado foram trechos das Avenidas Litorânea e Holandeses. Três veículos dispõem da tecnologia, o que permitiu a recuperação de outros trechos como a Avenida São Luís Rei de França, Franceses e São Marçal. O procedimento também é utilizado nos estados do Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia e Santa Catarina.

De acordo com o secretário Antônio Araújo, a agilidade do serviço evita que durante os trabalhos ocorra congestionamento do trânsito devido às intervenções. “Diferente do sistema tradicional, assim que a máquina conclui o serviço, o tráfego de veículos na via é liberado, evitando o congestionamento do trânsito”, frisou.

RECUPERAÇÃO TRADICIONAL - Paralela à pavimentação por injeção de spray, a Prefeitura continua executando a recuperação tradicional de avenidas e ruas de São Luís, com massa asfáltica, além da recuperação de calçamento. Até a sexta-feira (6), foram recuperados trechos das avenidas Africanos, Guajajaras e Lagoa da Jansen, além de ruas do bairro Diamante.


No Centro Histórico, a Semosp deu inicio à recuperação do calçamento das ruas do Giz e Santo Antônio. Para as próximas semanas, a programação inclui a Rua da Estrala, Largo do Comercio, Rua 14 de Junho, Beco da Pacotilha, Rua Godofredo Viana, Beco Escuro, Rua Leôncio Rodrigues, Rua Domingos Barbosa, Rua Portugal, Beco Conan e Rua Regente Braulio.
Pré-candidato a governador e líder nas intenções de votos nas pesquisas eleitorais, Flávio Dino (PCdoB) tem recebido grande apoio popular e de diversos partidos. Reunindo nove siglas, o grupo de oposição está fortalecido e vai marchar unido para enfrentar as urnas em outubro. Além dos partidos que comporão oficialmente a aliança na coligação de apoio à sua candidatura, Flávio Dino tem a seu lado militantes do PT em todo o estado.

Com eventos realizados ao longo de um ano e meio, o movimento Diálogos pelo Maranhão tem retratado a grande adesão de petistas ao projeto político da oposição, que tem como cerne principal superar o modelo político oligárquico e implantar políticas públicas no Maranhão que tenham como meta melhorar os índices socioeconômicos do estado.

No último final de semana, por exemplo, o prefeito do município de Lagoa Grande, Dr. Jorge (PT), foi um dos representantes do Partido dos Trabalhadores que estiveram nos eventos. Flávio Dino esteve na região junto a apoiadores de sua pré-candidatura e protagonizou eventos com forte participação popular e política.

“Eu estou apoiando Flávio Dino e a caravana da mudança e assim como fiz em 2010 vou fazer em 2014. Agora com esperança renovada de que dias melhores estão por vir para o nosso povo,” disse o prefeito em entrevista.

Na semana anterior, foi a presidente municipal do PT de Bom Jesus das Selvas quem fez um grande ato em prol da pré-candidatura de Flávio Dino. Ex-prefeita da cidade, Maria Lira fez um grande discurso em defesa da alternância de poder no Maranhão, representada na liderança do pré-candidato de oposição.

Maria Lira falou da participação dos movimentos sociais maranhenses no projeto de mudança para o estado e ratificou: “Pra ter luta, tem que ter soldado. Eu tenho um voto que é o meu, mas sou uma soldada da luta mobilizadora no meio de um exército que onde estiver acampado estará lutando em prol da candidatura de Flávio Dino”. Foi de autoria do vereador Henrique Paraibano do PT de Lago da Pedra a entrega do título de cidadão honorífico de Lago da Pedra entregue a Flávio Dino em visita ao município.

Segundo o presidente estadual do PCdoB, Márcio Jerry Barroso, a participação de grande parte da militância petista em atividades em apoio à mudança no Maranhão é decorrente da história de lutas sociais que o PT possui. “A presença de militantes petistas e de movimentos sociais em nosso movimento é quase uma constante. Já percorremos mais de 100 municípios e na maior parte deles contamos com a presença e a ação dos companheiros do PT na luta por um Maranhão mais justo,” afirmou.

PT com Flávio Dino, Dilma e Lula”

Em 13 de abril deste ano, centenas de militantes do PT de todo o Maranhão se reuniram para reafirmar o apoio à pré-candidatura de Flávio Dino. O evento teve como nome “PT com Flávio Dino, Dilma e Lula” e foi um dos maiores da pré-campanha. Na ocasião, os petistas assinaram um manifesto em favor da alternância de poder no Maranhão e afirmaram que a eleição de Flávio Dino transformou-se em uma causa humanitária no estado.

Um dos grandes símbolos dessa guinada em favor da aliança com a oposição ao grupo Sarney foi a presença do líder camponês Manoel da Conceição, que explicou a todos os militantes que, para honrar a história de luta contra ditadura e em nome dos trabalhadores, haja empenho do PT na campanha de Flávio Dino. Manoel foi recebido com festa e aplaudido de pé.

O compromisso foi registrado em carta assinada pela militância petista, afirmando que a possível candidatura de Flávio Dino tem como ponto central “a defesa da vida e da cidadania”. Na carta, os petistas defendem uma grande aliança de todos os partidos e movimentos sociais que “criar novas condições para o exercício da cidadania, dos Direitos, em nosso Estado”.

Aliança por um Maranhão mais Justo

O pré-candidato Flávio Dino tem dito em suas andanças pelo Maranhão que é preciso unir o estado em prol de um projeto que tenha como diretrizes a Democracia, a Justiça Social e o Desenvolvimento para Todos. Ao longo de sua caminhada, Flávio Dino reuniu importantes apoios para disputar as eleições de outubro.

Próximo às convenções que homologarão as candidaturas e as alianças partidárias, Dino conseguiu reunir apoio de 8 partidos, além do PCdoB. Já declararam que caminharão junto com o PCdoB: PDT, PSB, PTC, PP, Solidariedade, PROS, PPS e PSDB – reunindo as lideranças de oposição no Maranhão em candidatura única. Dos 9 partidos que devem compor a chapa de oposição, 5 apoiam a candidatura de Dilma Rousseff (PCdoB, PDT, PTC, PP e PROS), dois a candidatura de Eduardo Campos (PSB e PPS) e dois a candidatura de Aécio Neves (PSDB e Solidariedade).

Mesmo não fazendo parte dos partidos que farão parte da coligação de apoio a Dino, a presença dos militantes petistas mostra que a mobilização em torno da pré-candidatura de Flávio Dino mobiliza todos os setores da sociedade.

“Queremos dias melhores para o nosso povo, dias em que a riqueza de nosso estado não será posse de um pequeno grupo, mas de todos os maranhenses. Aqueles que acreditam nesse novo projeto para o Maranhão estão unidos em torno desse projeto. Vamos continuar agregando forças para derrotar um ciclo de atraso imposto por um pequeno grupo,” afirmou Flávio Dino.

Segundo Dino, é fundamental que todas as forças políticas se articulem e apresentem ao Maranhão uma nova opção política e administrativa. Ao longo dos últimos quatro anos, os partidos de oposição dialogaram e conseguiram fechar o entendimento para lançarem candidatura única na disputa de 2014.

Em entrevistas, Dino fala sobre o esforço de todas as lideranças que hoje compõem o grupo de oposição de trabalhar unidas por um momento de superação de um “ciclo de atraso”. Em uma ampla aliança, Dino compara o caso maranhense ao que aconteceu na década de 90 no Acre, em que partidos de diferentes posições nacionais caminharam juntos para derrotar o modelo oligárquico no estado:


“Foi com uma aliança assim, em que forças nacionais concorrentes se uniram no plano estadual, que o Acre derrotou a sua oligarquia e iniciou uma nova etapa na sua história. Queremos unir forças em nome do Maranhão, não em torno de pessoas,” disse em entrevista.

6 de jun de 2014

Maranhão da Gente
O pré-candidato Edinho Lobão (PMDB) iniciou uma espécie de temporada de caça a jornalistas. A reportagem apurou que pelo menos seis profissionais de imprensa já foram notificados pela Justiça Eleitoral, somente esta semana, a pedido do peemedebista. São eles Gilberto Lima, JM Cunha Santos, Raimundo Garrone, John Cutrim, Leandro Miranda e Ivison Lima.
O jornalista e blogueiro JM Cunha Santos foi notificado ontem pela segunda vez. Atendendo a decisão prolatada pela juíza Maria José França Ribeiro, ele foi obrigado a deletar um texto.
Na representação, Edinho pede que Cunha Santos seja multado em R$ 25 mil e faz um apelo de censura prévia, inclusive no “Facebook, Twitter ou qualquer outra rede social”, que foi negado pela juíza.
Um dia antes, também a pedido de Edinho, Cunha Santos foi obrigado a deletar postagem sob o título “Dilma manda o PT se afastar de Edinho Lobão”. O argumento foi de que o texto incorria em propaganda eleitoral antecipada negativa.
Em relação aos blogueiros John Cutrim, Raimundo Garrone e Leandro Miranda, o pré-candidato do grupo Sarney pede que eles sejam obrigados a retirar do blog matéria que trata da condenação de Edinho Lobão por pirataria, ocorrido em 2010. No caso de Leandro, pede também a exclusão de matéria sobre o doleiro e uma charge. Eles ainda não foram intimados.
O prefeito Edivaldo Holanda Júnior resistiu a pressão dos empresários e do Ministério Público para proteger a população e os cofres da prefeitura. Conseguiu negociar um acordo satisfatório mantendo a tarifa dos transportes coletivos de São Luís em entre as menores do país, como mostra o quadro abaixo.  Os empresários queriam reajustar as passagens de R$ 2,10 para R$ 2,80, mas tiveram que se contentar com R$ R$ 2,40. Repasse de R$ 7 milhões para ser rateado entre as empresas do SET, como exigia a promotora Lítia Cavalcante, nem pensar.   

Deve-se destacar que desde o início da crise entre rodoviários e patrões, o prefeito Edivaldo agiu com firmeza, não permitindo o reajuste pretendido, com o único propósito de proteger a renda do trabalhador, como já fez ano passado quando não autorizou aumento. Agora concede reajuste de penas R$ 30 centavos de aumento, mas está exigindo dos empresários a renovação da frota e melhoria da qualidade do serviço prestado à população e pôs fim a transferência de R$ 2 milhões mensalmente para as empresas de transporte.

O que deve ser lavado em conta é que a prefeitura não terá mais que repassar os R$ 7 milhões do famigerado TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), assinado ainda na administração irresponsável do ex-prefeito João Castelo, e que a promotora estava obrigando o prefeito a repassar para os empresários fazerem a festa. O dinheiro servirá agora para ajudar as obras de saneamento que a cidade está precisando.   

Louve-se a determinação e sensibilidade do prefeito Edivaldo em intermediar as negociações para fim da greve que trouxe graves prejuízos à população e à economia local. Foram 15 dias de exaustivas reuniões e estudos, intermediada pela Prefeitura e pela Justiça do Trabalho, restaurando como soluções para equilibrar o sistema o subsídio mensal de R$ 4,5 milhões ou aumento reivindicado pelos empresários de R$ 2,79.

O saldo positivo das negociações são exigências da prefeitura para conceder o reajuste, dentre os quais colocar em circulação 250 ônibus novos em seis meses e mais 250 ao longo do próximo ano, início da implantação da biometria facial, que permitirá a realização do compromisso de implantar o bilhete único; e inicio do processo de licitação com publicação de edital para os estudos;

Ranking Nacional        

Teresina – 2,10             
São Luís – 2,10
Recife – 2,15
Fortaleza – 2,20
João Pessoa – 2,20
Macapá – 2,20
Natal – 2,20                                                                                   
Aracaju – 2,35
Belém – 2,40
Rio Branco – 2,40
Vitória – 2,40
Maceió – 2,50
Palmas – 2,50
Boa Vista – 2,60
Porto Velho – 2,60
Curitiba – 2,70
Campo Grande – 2,70
Manaus – 2,75
Goiânia – 2,80
Salvador – 2,80
Belo Horizonte – 2,85
Cuiabá – 2,85
Florianópolis – 2,90
Porto Alegre – 2,95
Rio de Janeiro – 3,00

São Paulo – 3,00
A Prefeitura de Santa Inês, através da Secretaria Municipal de Saúde, tem desenvolvido várias ações para melhorar a prestação do serviço que é um dos mais importantes. Além de medidas administrativas, como atendimento médico especializado, a saúde tem sido mais estruturada.

Na última terça-feira, 3, foi iniciado o trabalho de troca de colchões nos hospitais que atendem a saúde pública de Santa Inês. No Hospital Tomaz Martins foram trocados todos os colchões da UCI – Unidade de Cuidados Intensivos.  Outro setor que teve a necessidade suprida foi o de obstetrícia. De acordo com a direção do hospital, a reestruturação será feita conforme a demanda.

No SPA – Serviço de Pronto Atendimento – as enfermarias de observação também tiveram os colchões trocados. Segundo o Prefeito, Ribamar Alves, a medida visa oferecer qualidade de vida à população.

No entanto, este trabalho de equipar não se limita somente aos hospitais. Todo o setor passa por reestruturação, sete Unidades de Saúde já foram reformadas e 12 serão construídas, além de uma Academia e um Centro de Saúde.


Faltando menos de quatro meses para as eleições de outubro próximo, o pré-candidato da oligarquia Sarney, Edinho Lobão, o “Edinho 30”, anuncia que pretende viajar pelo interior do Maranhão para conversar com os eleitores e colher sugestões.

Na realidade Edinho vai aproveitar o período eleitoral para tentar conhecer o Estado, visto que é de Brasília e só descobriu o Maranhão quando comandou os negócios não republicanos do governo do pai, o hoje ministro das Minas e Energia, Edison Lobão.  

Segundo a assessoria do pré-candidato, ainda nesta sexta, Edinho visita o município de Pedreiras e no sábado as cidades de Presidente Dutra e Tuntum.

Lobinho vai de helicóptero porque tem piloto para leva-lo. Se fosse por terra, dirigindo, certamente se perderia no caminho, pois nunca pisou nestes lugares.
A participação de Edinho Lobão em esquemas envolvendo crimes de toda sorte não para de surpreender o eleitor maranhense. Agora, Edinho pede “Segredo de Justiça” para abafar um grande escândalo em uma empresa de distribuição de bebidas, do qual era proprietário.

Acionado por dívida de mais de R$ 6 milhões junto ao Banco do Nordeste, além de não pagar o que deve ao Banco, Edinho foi pego em uma grande trama que trazia desde sócios “laranjas” até uma fazenda-fantasma na Bahia. Tudo em seu nome.

Todo esse caso foi revelado em inúmeras reportagens quando o brasiliense Edinho Lobão assumiu pela primeira vez a vaga do Senado no lugar do pai.

Para não prestar contas à sociedade, Edinho pediu “Segredo de Justiça” para que o público não soubesse em que pé andava a apuração de seus crimes.

Acusado por crime contra a Ordem Tributária, Falsidade Ideológica, Uso de Documentos Falsos e pior: por Formação de Quadrilha ou Bando.

Trata-se de apenas mais um caso na extensa lista de processos e condenações envolvendo o candidato da família Sarney.

Com tantas coisas a explicar à Justiça e ao povo do Maranhão, por que Edinho prefere esconder sua longa ficha corrida na Justiça?

Haveria algo de podre no Reino do Lobão?

*Blog Marrapá


5 de jun de 2014

Empresário confirma na CPI alianhamento de preços
A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o aumento abusivo dos preços dos combustíveis em São Luís ouviu, na tarde desta quinta-feira (05), mais duas testemunhas. O primeiro a depor foi Jean Fábio Ramos,  representante legal do posto Makro na capital maranhense. Ele foi o único interrogado, até agora, a admitir que houve mesmo um alinhamento de preços de combustíveis nos postos da cidade, mas não afirmou que se trate de cartel.

O empresário disse ainda que, até novembro de 2013, percebia-se uma guerra de preços no setor só que puxados para baixo. E que depois disso, observou-se o alinhamento dos preços para cima.

Para o deputado Othelino Neto (PCdoB), presidente da CPI, a declaração de Jean Fábio vai contribuir com as investigações da Comissão sobre a cartelização entre os postos de combustíveis da cidade. “O depoimento do representante do posto Makro é muito importante, principalmente por se tratar de uma empresa que não está atrelada ao mercado local. Os preços são definidos pela matriz em São Paulo. E essa foi a primeira vez que alguém do empresariado admite a possibilidade de alinhamento", analisou.

O último interrogado desta semana foi o empresário João Moreno Rolim, proprietário de 15 postos de combustíveis no Maranhão. Ele afirmou que acompanha os preços dos concorrentes, mas nunca combinou valores com outros empresários.

Assim como os outros empresários do setor ouvidos pela CPI, João Rolim negou a existência de formação de cartel na capital maranhense. Usando do mesmo argumento, o empresário disse que “o mercado é livre e é o mercado  quem dita as regras”. 

João Rolim disse ainda que nunca foi procurado para combinar preço e muito menos recebeu planilha para orientar o valor de seu produto. “Na minha empresa quem faz a planilha de preços somos nós”, afirmou.

Mercado centralizado - Na última terça-feira (03), o presidente da CPI disse, após mais uma fase de oitivas, que, em dois meses de investigação, a impressão é de que o mercado de São Luís está mesmo cartelizado. Os deputados analisam também depoimentos de empresários, dando conta que o setor sofreria pressão de distribuidoras para majoração dos valores cobrados na capital maranhense.

A CPI iniciou a fase de oitivas desta semana ouvindo os empresários Oswaldo Salomão, do posto Americano, e Sebastião Murad, do posto São Francisco. Os dois negaram que esteja havendo combinação de preços entre os donos de postos de combustíveis. Mas o último depoente levantou a suspeita, já cogitada por outros proprietários, de que haveria pressão por parte das distribuidoras para a majoração dos valores.

Segundo o presidente da CPI, nas próximas oitivas, também poderão ser ouvidos representantes de distribuidoras de combustíveis sobre a denúncia de que haveria algum tipo de pressão para aumentar os preços na capital maranhense.


As oitivas recomeçam na tarde da próxima terça-feira (10). Até agora, mais de 15 empresários foram ouvidos pelos deputados da Comissão. Mesmo as investigações apontando para a formação de cartel em São Luís, todos os interrogados negaram combinação nos preços dos combustíveis.
A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, de forma surpreendente, mandou desarquivar o projeto de lei nº 106/2014, de autoria do deputado Max Barros (PMDB), que institui a Taxa de Controle, Monitoramento e Fiscalização das atividades de Transporte, Manuseio, Armazenagem e Aproveitamento de Recursos Minerários.

Pela proposta, a TFRM passa a ter poder de polícia conferido ao Estado sobre as atividades de transporte, manuseio, armazenamento e aproveitamento realizado no Estado dos minérios de ferro, bauxita, minerais ou minérios tais como chumbo, cobre, zinco, estanho, lítio, níquel, manganês, tântalo e zircônio.

A proposta, ao ser apreciada pela Comissão de Constituição e Justiça, estranhamente foi arquivada, segundo apurou o blog, após pressão da mineradora Vale, que paga taxas aos estados de Minas Gerais, Pará e Amapá, que ainda recebem royalties do governo federal, mas não recolhe um único centavo ao Maranhão, que serve apenas de corredor de exportação.

As atenções nos bastidores da Assembleia estão voltadas para a votação deste projeto que deverá receber a deliberação do plenário na próxima semana, pois a Vale estaria pressionando pela rejeição da matéria.

A mineradora alega que já ajuda os municípios cortados pela Ferrovia Carajás, mas o autor do projeto observa que faz sem compromisso e deseja que a taxa seja paga de forma oficial e os recursos divididos 50% para os municípios do corredor da estrada de ferro, 20% para São Luís e ou outros 30% para o governo fazer a administração do serviço.    
   


Blog  Marrapá 
Print screen extraído do site da Justiça Federal coloca sob suspeita a validade da Certidão Negativa apresentada pelo deputado estadual Alexandre Almeida (PRTB), na manhã de ontem (04), no plenário da Assembleia Legislativa do Maranhão.
A intenção do ex-candidato a prefeito de Timon era a de isentar o suplente de senador Edinho Lobão (PMDB) da condenação a 16 meses de prisão por fraude contra as telecomunicações.
No endereço do Tribunal Regional Federal da Primeira Região, após discriminado o nome e o CPF do político condenado, o sistema informa que é impossível emitir um “nada consta” favorável a ele.
De acordo com o site, “o sistema não pode emitir a certidão, pois foi detectada como positiva ou ocorreu homonímia (nomes semelhantes)”, confirmando que a ficha do pré-candidato do grupo Sarney a governador não é tão limpa quanto Alexandre Almeida atesta, pois existem contra ele condenação e dois processos em tramitação que correm em segredo de justiça.
Em 2010, Edinho Lobão foi condenado a detenção, sob a acusação de transmitir clandestinamente o sinal da TV Difusora no município de São Mateus (MA).
Na sentença, o juiz federal Maurício Rios Júnior decidiu que ficou “devidamente comprovada a responsabilidade penal do acusado Edison Lobão Filho pela prática do crime previsto no art. 183 da Lei 9.472/97”.
Embora a mídia aliada ao pré-candidato do PMDB ao governo tente passar para a população que o suplente de senador Edinho Lobão é limpo e que não deve nada à Justiça, o fato real é que existe contra ele uma condenação a 1 anos e 4 meses de prisão.

Quem diz isso não é a oposição, mas a sentença que condenou Edinho por fraude e pirataria com a TV Difusora de São Mateus. 
   
Diante da informação bombástica sobre a condenação, blog´s e todo o Sistema Mirante foram acionados para tenta explicar o inexplicável. Nada consta depois da sentença ter sido prescrita não vale.

Edinho tem uma condenação e só não foi para a prisão por conta da morosidade da Justiça. 

Nada consta agora, porque o processo terminou, com a condenação à pena de 1 ano e 4 meses de detenção. 

Se a decisão foi monocrática e não coloca o pré-candidato na ficha limpa é outra história que ainda vai render. 

Outra coisa, a prescrição apenas evita que o condenado vá para a cadeia, mas não apaga o ato processual regularmente praticado pelo Poder Judiciário.
Editorial – Jornal Pequeno

A pressão política contra o prefeito Edivaldo começa a ganhar as mesmas proporções exercidas contra Jackson Lago e João Castelo em vésperas de eleições. Além das tempestades naturais que complicaram o asfalto da cidade, a cada dia o governo escala uma eminência parda para demonizar a atual gestão da Prefeitura. Roberto Costa, Edilazio Júnior, Edinho Lobão, Magno Bacelar e até o senador José Sarney criticaram e, em alguns casos, até insultaram o prefeito de São Luís. Sem contar o que faz o maior monopólio dos meios de comunicação da América do Sul.

O governo faltou com a verdade mais uma vez quando fingiu que aceitaria uma parceria com a Prefeitura. O Sindicato das Empresas de Transportes ‘engoliu’ 15 dias de prejuízos e retirou todos os ônibus das ruas. A tentativa de forçar um aumento nos preços das passagens também era política. Tudo que eles queriam eram os estudantes nas ruas em protesto contra a Prefeitura e o prefeito. Estão com raiva porque não conseguiram.

O cheiro de mercenários é muito forte. Fizeram isso com Jackson Lago, comprando lideranças estudantis. Fizeram com João Castelo, mandando rebentar a Avenida Santos Dumont quando ela acabava de ser construída. Os ataques contra Edivaldo partem agora do Sindicato dos Professores. Sindicato, vírgula, porque não tem diretoria, só uma presidente cujas ligações políticas são suspeitas. Ligações que levaram todo o restante da diretoria a renunciar.

O Sindicato de Uma Pessoa Só e que, portanto, não representa a digna categoria dos professores, começa a enveredar por caminhos duvidosos, como se também estivesse, de alguma forma, submetido ao interesse político do grupo Sarney. Tudo é possível crer neste momento de convulsão política em que o poder de 50 anos dos Sarney se sente ameaçado.

Não seria essa a primeira vez em que mercenários seriam pagos para atacar a oposição. Não seria essa também a primeira vez em que uma categoria seria manipulada por sua liderança para atender a interesses políticos inconfessos. Será sempre justa qualquer reivindicação salarial de trabalhadores no Brasil. Somos os piores em distribuição de renda e calcula-se que neste país 10% da população é dona de 90% de tudo o que produzimos. Mas a negociação não pode ser substituída pela baderna que já cansa o Brasil e, em particular, o Maranhão.

Afirma a Prefeitura que um professor do município recebe salário equivalente ao dobro do piso nacional. E essa, convenhamos, é uma conquista histórica. E há outras conquistas que não estavam em São Luís antes da gestão de Edivaldo Holanda, como a contratação de novos professores, recursos para construção de creches e escolas, transporte escolar e material didático. A reivindicação se entende, mas nesse clima o que não se entende é a intransigência em querer forçar uma greve, manifestações, agressões contra um gestor que sempre manteve as portas abertas para os movimentos sociais. A insanidade é tamanha que a presidente do sindicato dos professores do município, Elisabeth Ribeiro Castelo Branco, perde todo o bom senso de civilidade e leva meia dúzia de sindicalistas para fazer baderna e perturbar o sossego dos moradores do condomínio onde mora o prefeito Edivaldo Holanda Júnior, como aconteceu na manhã de ontem. Onde já se viu tamanha irresponsabilidade!

Os professores, como formadores de opinião e de quem se espera atitudes equilibradas, deveriam se concentrar em frente à Prefeitura e não invadir a privacidade dos condôminos que nada têm a ver com as reivindicações da classe, cuja greve foi considerada ilegal pela Justiça.


Alguém parece muito interessado em acabar indefinidamente com a tranquilidade de São Luís. É um jogo bruto, um jogo político que a população já começa a perceber. A capital maranhense está sendo sabotada e o povo precisa acordar para essa patifaria.

4 de jun de 2014

Mistério ronda o sumiço da "Mala Preta" do doleiro Alberto Youseff 
Parlamentares que integram o bloco da oposição voltaram a cobrar explicações sobre supostas ligações do doleiro Alberto Youssef com o Governo Roseana. Rubens Júnior, Othelino Neto, Bira do Pindaré e Marcelo Tavares perguntaram à bancada governista o que foi feito com a “mala preta” filmada pela Polícia Federal e que sumiu em São Luís.  

Marcelo Tavares fez o seguinte questionamento: “Eu queria que vossa excelência retrocedesse um pouco e nos respondesse o que o deputado Rubens Júnior e os outros deputados da oposição perguntaram na semana passada, mas que nenhum deputado do governo respondeu. Houve um doleiro preso aqui no Hotel Luzeiros pela Polícia Federal que entregou uma mala durante o dia e uma caixa que um funcionário da Casa Civil do governo Roseana Sarney foi buscar na portaria do hotel. Para onde foi essa mala? Quem no governo recebeu essa mala?”.


Edinho Lobão foi condenado a cumprir 1 anos e 4 meses de detenção
O deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB), reafirmou na sessão desta quarta-feira, 04, que o pré-candidato ao governo do Maranhão, senador Edison Lobão Filho, foi condenado pela Justiça Federal numa pena de detenção de um ano e quatro meses e que só não cumpriu por conta da demora da Justiça.

O deputado afirmou que o processo que durou mais de dez anos, começou em São Luís - quando Edison Lobão Filho assumiu temporariamente o mandato de senador - depois foi para o Supremo Tribunal Federal e, quando ele saiu da suplência, voltou para instância inicial e, por este motivo, o Estado não tem o direito de punir.

“O Edinho Lobão se safou da punição, mas o crime foi cometido. Desafio a trazer uma certidão dizendo que a TV de São Mateus não operou de forma ilegal. Isso não se trata de calúnia. Eu não estou imputando crime e sim relatando o crime que foi cometido pelo Edson Lobão Filho, reconhecido pela Justiça Federal. A certidão atesta que o Estado perdeu o direito de punir, mas isso não limpa a ficha do senador Edison Lobão Filho. Daqui para frente se eu me reportar a ele como criminoso na área de telecomunicações, eu não estarei sendo incorreto”, afirmou Rubens Pereira Júnior.


Ao finalizar, o deputado reafirmou que o Estado perdeu o direito de punir o senador Edison Lobão Filho porque demorou na instrução processual, mas reconheceu a conduta criminosa, fixando a pena de detenção de um ano e quatro meses. “O tipo penal é definido e isso não pode ser retirado. A prescrição, neste caso, pode até afastar a pena, mas não seus efeitos. E o efeito da inelegibilidade, estaria aí incluído. Portanto, reafirmo que Edison Lobão Filho cometeu crime contra as telecomunicações e que não cumpriu pena pela demora do Estado, processo que se alongou por mais de dez anos”.
O Movimento Diálogos pelo Maranhão estará em Buritirana, Imperatriz e João Lisboa esta semana. Com a coordenação de Flávio Dino (PCdoB) e Roberto Rocha (PSB), os eventos contarão com a presença de lideranças políticas e sociais da região tocantina. A partir das 19h de sexta-feira (6), os debates acontecerão em Buritirana. No sábado (7), às 8h, a caravana segue para Imperatriz e, às 19h, estará em João Lisboa.

Discutindo propostas e ideias para promover o desenvolvimento social no estado, o movimento já percorreu mais de 100 municípios de todas as regiões do estado. Ao longo deste período, 63 propostas já foram integradas ao Programa de Governo da oposição maranhense. O conteúdo está disponível no site do Diálogos (www.dialogospelomaranhao.com.br) para consulta e contribuições.

“Esse documento é fruto de uma grande mobilização social em todo o estado num sonho conjunto de busca de mais justiça social. Buscamos, com isso, promover desenvolvimento com justiça social. O Diálogos é o primeiro passo para um governo democrático e que ouve as pessoas”, disse Flávio Dino, sobre a importância do Movimento.


As diretrizes do Programa de Governo destacam ações nas áreas da Saúde, Educação, Segurança, Moradia, Administração Pública, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Econômico.
O deputado Bira do Pindaré levou nesta manhã de quarta-feira (04) ao conhecimento do plenário da Assembleia Legislativa uma grave denúncia feita por vereadores do município de Governador Nunes Freire sobre a morte do vereador Paulo Lopes.

Segundo o parlamentar, os vereadores Marcelo Oliveira, Ulenira Batista, Luís Fernando Pereira e Gerlândia de Oliveira fizeram uma representação junto ao Ministério Público Estadual denunciando o desvio de dinheiro público, utilizando o mecanismo de consignações junto ao Banco do Brasil.

O deputado Bira relatou a e detalhou o teor da denúncia apresentada pelos vereadores. Os parlamentares municipais denunciam que no contrato de consignação do Banco do Brasil, o desconto dos servidores, ao invés de ser efetuado na conta própria, está sendo efetuado na conta da Prefeitura, ou seja, a Prefeitura está pagando as consignações.

Bira classificou a situação como uma ilegalidade flagrante, por se configurar como desvio de dinheiro e cobrou que o caso seja investigado o mais rápido possível pela Polícia.

O parlamentar ressaltou que o desvio de dinheiro já tinha sido denunciado pelo vereador Paulo Lopes (PT). Alguns dias após a denúncia, na Câmara Municipal de Nunes Freire, o parlamentar faleceu, supostamente vítima de acidente. Bira destacou que as investigações da Polícia Civil caminham na direção, de que há vinculações entre a morte do vereador e a denúncia que ele formulou. 

Em razão da gravidade da situação, o deputado Bira formulou representação mediante oficio à Polícia Civil, ao Banco do Brasil, à Polícia Federal, ao Ministério Público Federal e ao Ministério Público Estadual, pedindo que eles façam a investigação devida da denúncia.

“Eu espero que o Banco do Brasil tenha uma posição. Eu não quero crer que o BB tenha alguma coisa a ver com isso, mas é importante que eles também apurem a responsabilidade. Eu tenho aqui os documentos em mãos que comprovam que os servidores receberam a consignação, mas não tiveram o desconto nas suas folhas de pagamento, no seu contracheque. A consignação, é um empréstimo bancário e o débito é feito na folha de pagamento, vem descontado no contracheque”, denunciou Bira.

De acordo com o parlamentar, os vereadores tiveram acesso aos contracheques dos funcionários e constataram que não há desconto em favor do Banco do Brasil, no entanto na lista das consignações fazem parte pessoas que não são servidores do município. Para o socialista a situação é extremamente grave e pode indicar o enriquecimento ilícito e talvez uma fonte de arrecadação de dinheiro para futuras campanhas eleitorais.        


“Peço a investigação a todos esses órgãos mediante a denúncia que recebi e vamos a fundo acompanhar cada passo, tanto da denúncia formulada por eles com relação a esse esquema de desvio de dinheiro, quanto também em relação à morte do vereador Paulo Lopes, essa história tem que ser passada a limpo”, cobrou.
O deputado Domingos Dutra reafirma a necessidade da votação do veto presidencial que trata do projeto da criação de municípios. De acordo com ele, no Maranhão há determinadas regiões que precisam ser transformadas em municípios.

“Nós aprovamos a legislação disciplinando a criação de Municípios depois de 16 anos de negociação com o Poder Executivo. Mesmo assim, foi vetada e, por três vezes, tentou-se apreciar o veto, mas não se conseguiu”, lembrou o deputado.

O Congresso já está sem votar vetos a mais de cinco meses. A última sessão ocorreu em dezembro de 2013. Em sua última viagem pelo interior do Maranhão, Dutra reforçou a necessidade da criação de novos municípios em pelo menos cinco povoados.

“No Maranhão determinadas localidades merecem ser transformadas em Município. Cito aqui o povoado de Jacaré, no Município de Penalva, um povoado grande, no verdadeiro Pantanal, totalmente abandonado pelo poder público de Penalva, mas com população suficiente para ser transformado em Município, que está esperando a resolução do veto”, disse.

O parlamentar citou também o povoado de Alto Brasil, em Grajaú. De acordo com ele, é uma região grande que Grajaú já não comporta mais, por isso fica abandonado. Outra região é o povoado de Belém do Maranhão. Quando um morador desse povoado adoece, precisa buscar atendimento na cidade de Tuntum ou Presidente Dutra.

O Povoado de Uirapuru também foi destacado por Dutra. Com a derrubada do veto será possível a criação e emancipação de novos municípios.” Eu espero que, antes do recesso, o Congresso se reúna, aprecie o veto e tenha coragem de ser coerente, porque, infelizmente, às vezes, o Deputado e o Senador que votaram a favor de determinada lei, quando o Poder Executivo veta, votam a favor do veto, anulando sua decisão anterior”, lamentou.


Por falta de consenso, quatro sessões iniciadas este ano com essa finalidade foram adiadas sem nenhuma decisão.

O sindicato dos professores do município comandado por Elisabeth Ribeiro Castelo Branco, extrapolou todas as barreiras do bom senso na manhã desta quarta-feira (4). Uma meia dúzia de sindicalistas e um carro de som foram para porta do condomínio do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PTC).

Porém os professores esquecem que outras pessoas residem no local, acabando com a privacidade e sossego dos demais. Outro ponto que deve ser ponderado é que em hipótese alguma, isso deveria ocorrer, afinal a relação entre professor e prefeito é institucional, por isso toda manifestação deve ocorrer diretamente no centro administrativo da prefeitura, ou seja, o Palácio La Ravardiere na praça Dom Pedro II.

Professores desrespeitam a privacidade e sossego de moradores

Pior do que invadir a privacidade dos moradores do condomínio, a professora Elisabeth Castelo Branco esquece de olhar para a sua própria gestão. A presidente do SindEducação, nunca prestou contas da sua gestão. Diante desse fato com qual moral ela tem para fazer reivindicações?

No Sindicato corre um abaixo assinado solicitando a apresentação do balanço financeiro de sua administração, pois toda vez que lhe é solicitado, Elisabeth inventa uma desculpa.

Será que ela gostaria que movimento semelhante fosse feito na porta da residência dela?

Após ter sido declarado ilegal, o movimento grevista dos professores perdeu completamente a moral. Agora também se trata de uma greve imoral e ilegal.
O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o abuso nos preços dos Combustíveis, deputado Othelino Neto (PCdoB), afirma que em dois meses de investigação, a impressão é de que o mercado de São Luís está cartelizado. Os deputados analisam também depoimentos de empresários, dando conta que o setor sofreria pressão de distribuidoras para majoração dos valores cobrados na capital maranhense.
A CPI ouviu, na terça-feira (03), os empresários Oswaldo Salomão, do posto Americano, e Sebastião Murad, do posto São Francisco. Os dois negaram que esteja havendo combinação de preços entre os donos de postos de combustíveis. Mas o último depoente levantou a suspeita, já cogitada por outros proprietários, de que haveria pressão por parte das distribuidoras para a majoração dos valores.

Segundo o presidente da CPI, nas próximas oitivas, também serão ouvidos representantes de distribuidoras de combustíveis sobre a denúncia de que haveria algum tipo de pressão para aumentar os preços na capital maranhense. “Eu continuo afirmando a impressão de que o mercado em São Luís está cartelizado. Sobre esses elementos da participação das distribuidoras, o empresário que depôs há pouco levantou essa suspeita. Empresários têm falado da pressão que recebem para majorar os preços. Temos representantes de distribuidoras para ouvir ainda”, afirmou.

3 de jun de 2014

Por maioria dos votos, o plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu, nesta terça-feira, durante a 190ª Sessão Ordinária, colocar o desembargador Jaime Ferreira de Araújo, do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão (TJMA), em disponibilidade com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço.

A decisão foi tomada no julgamento do Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) 0005845-23.2012.2.00.0000, em que foram constatados diálogos impróprios, de cunho pessoal, entre o desembargador e uma candidata de concurso para ingresso na magistratura do Estado do Maranhão.

Segundo o voto da conselheira Maria Cristina Peduzzi, relatora do PAD, os fatos ocorreram quando o desembargador integrava a comissão do concurso. A apuração constatou que, durante a realização de prova oral, o desembargador dirigiu-se à candidata e perguntou por que ela não atendera a ligação telefônica feita por ele. Esse diálogo foi gravado, segundo relatou a conselheira. Para ela, o desembargador deveria se declarar impedido de atuar em qualquer ato relacionado à candidata.

“Após a realização da prova oral, o desembargador não poderia mais atuar em qualquer ato administrativo que envolvesse essa candidata, pois estabelecera diálogos inadequados, impróprios para o contexto do certame. Dessa forma, já estaria configurada sua suspeição”, afirmou a conselheira relatora, cuja proposta de decretar a disponibilidade do magistrado foi seguida pela maioria do Plenário.

“Considerando as disposições da LOMAN (Lei Orgânica da Magistratura Nacional) e da Resolução 135 deste Conselho Nacional de Justiça, eu entendo, com base no artigo 7º da Resolução, que o desembargador agiu de forma incompatível com a dignidade, a honra e o decoro de suas funções. Mas, por tratar-se de um acontecimento isolado, aplico-lhe a pena de disponibilidade compulsória com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço, forte no artigo 42, Inciso IV, da Loman, e artigo 6º da Resolução 135 de 2011 deste Conselho Nacional de Justiça”, concluiu a relatora em seu voto.
Design de NewWpThemes