17 de dez de 2013

 Ganhou repercussão nacional a guerra entre membros de uma facções criminosas no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, nesta manhã de terça-feira (17), onde uma disputa por liderança no Centro de Detenção de Pedrinhas provocou novo motim, com saldo de quatro mortes, sendo três delas por decapitação. Todos os telejornais, entre os quais o Jornal Hoje destacou mais uma vez a eclosão da violência no CDP.

A fragilidade do Sistema Penitenciário do Estado e as condições em que são amontoados os presos acabou resultando em mais um motim, desta vez no no bloco Gama, no CDP de Pedrinhas e os detentos, por falta de uma revista mais rigorosa, se armaram de facas artesanais para cometer os homicídios, numa disputa pela liderança de uma das facções criminosas que atuam na capital maranhense.

Mortes violentas, motins, rebeliões, tentativas de fuga, descoberta de túneis têm se tornado fatos rotineiros no Complexo Penitenciário do Maranhão. A falta de estrutura física, superlotação e a escassez de profissionais capacitados para o exercício da profissão já foram alvo de diversas denúncias.

Este ano, a maior rebelião aconteceu no início de outubro, deixando um saldo de 09 mortos e 20 feridos. Após esse fato, o Ministério Público Federal e a Defensoria Geral da União solicitaram a intervenção federal nas penitenciárias maranhenses e, desde então, a Força Nacional têm reforçado a segurança no Complexo Penitenciário de Pedrinhas.
No Maranhão o cenário de violência no Complexo Penitenciário é preocupante, uma vez que somente este ano já foram contabilizados 43 assassinatos com requinte de crueldade. Proporcionalmente, o Maranhão é o estado em que morrem mais presos em números proporcionais e absolutos. Além do mais são constantes as fugas e tentativas de fugas, o que só revela a fragilidade de todo o sistema.

Segundo o deputado Raimundo Cutrim, o Maranhão vive hoje em estado de guerra civil em decorrência da fragilidade do Sistema e da falta de credibilidade do secretário que comanda a pasta de Segurança Pública do Estado.  
Reações:

0 comentários :

Design de NewWpThemes